Com a isenção total de tributos na importação de máquinas e equipamentos, os investimentos cresceriam significativamente a ponto de elevar o PIB?

 SIM
 NÃO

 
 

Brasil precisa entender melhor a lógica de comércio da Ásia

03/08/2017

Data de publicação:03/08/2017

O Brasil precisa entender a lógica de pensamento e de comércio dos países asiáticos se quiser expandir sua participação nesse mercado. Quem afirma é a especialista em China da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Thais Moretz, que participou, em Brasília, do primeiro Diálogo Agrícola Brasil-Argentina.

Segundo ela, expandir mercados na atual conjuntura mundial em que os países, em geral, buscam ampliar suas exportações e atrair investimentos para os próprios territórios é um grande desafio e exige mais do que uma produção de destaque mundial, como a do Brasil no setor agrícola.

Com cerca da metade da população mundial, uma classe média emergente e uma economia em expansão, a Ásia - e mais especificamente a China, Índia e os dez países que compõem a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) - reúne mercados em potencial crescimento e com um grande atrativo. Em julho, a Ásia concentrou 38% das exportações brasileiras. Só a China foi o destino de 25,5% das mercadorias do Brasil. A Europa aparece em segundo lugar, comprando 18,6% dos produtos.

As exportações do Brasil para a China, no entanto, são bastante restritas em termos de diversidade, uma vez que os chineses compram basicamente soja. Demais produtos tem mais dificuldade ou mesmo são impedidos de entrar. Na análise de Thais, o Brasil é fraco em algo fundamental na China: relacionamento. "Na China, é fundamental ter networking e relacionamento local. Poucos [brasileiros] mantêm reuniões constantes com os chineses", ilustrou.

O histórico do relacionamento também conta muito. Os chineses valorizam muito o passado, que está documentado, está registrado. Já o futuro, é obscuro, não se pode garantir o que vai acontecer. "Ele vai confiar no passado, nas provas que você deu de confiança. Não confiam tanto no futuro ou nas promessas, mas na tradição e no que se está fazendo para chegar lá", disse Thais.

Má imagem e agrotóxicos

"A imagem do Brasil [no exterior] se deteriorou muito, crescemos nas exportações, mas o volume de ataques que recebemos lá fora é absurdo. Temos que trabalhar isso", defendeu o consultor da Asia-Brazil Agro Alliance, Marcos Jank, que também participou do evento hoje em Brasília. Ele ressaltou que a China tem se preocupado cada vez mais com a qualidade dos alimentos e que o Brasil tem ficado de fora de alguns setores.

Um dos pontos polêmicos no setor agrícola é o uso dos agrotóxicos. Produtores defendem os produtos como necessários, uma vez que o Brasil, como um país tropical, concentra também várias pragas que prejudicam a produção e dizem que quando há um controle de qualidade, não é prejudicial à saúde. Alguns produtos usados no Brasil são banidos em determinados países, o que restringe as exportações.

Segundo um estudo sobre o mercado de agrotóxicos no Brasil divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o comércio desses produtos no Brasil cresceu 190% entre 2000 e 2010, mais que o dobro da média mundial, de 93%. Em março deste ano, relatores do Conselho de Direitos Humanos da ONU defenderam a criação de um tratado global para regulamentar e acabar com o uso de pesticidas na agricultura. Os especialistas citam pesquisas que mostram que os agrotóxicos causam cerca de 200 mil mortes por envenenamento por ano em todo o mundo.

 

Fonte - Aduaneiras

 



Voltar


BRASIL




GERAIS




adm  ABRACEX - Associação de Comércio Exterior do Brasil - Todos os direitos reservados - ©2017