Com a isenção total de tributos na importação de máquinas e equipamentos, os investimentos cresceriam significativamente a ponto de elevar o PIB?

 SIM
 NÃO

 
 

Monteiro: Suécia é um parceiro estratégico para os empresários brasileiros

18/10/2015

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, participou neste domingo, em Estocolmo, de encontro com empresários brasileiros que possuem negócios na Suécia. Segundo Monteiro, os empresários brasileiros identificam na Suécia um parceiro estratégico na área de tecnologia e inovação. Ele disse ainda que as empresas suecas podem utilizar o Brasil como plataforma para ampliar a presença na América Latina.


“Há um grande número de empresas suecas no Brasil e isso vai desencadear um comércio entre companhias, ou seja, os grupos suecos que estão instalados no Brasil poderão utilizar o país como plataforma para ampliar a presença em toda a América Latina, portanto, nós acreditamos muito nessa parceria estratégica”, disse Monteiro, que acompanha a presidenta Dilma Rousseff em visita oficial à Suécia.

“Empresários brasileiros identificam na Suécia um parceiro estratégico na área de tecnologia industrial avançada e inovação. Toda empresa brasileira sabe hoje que o futuro está na capacidade de inovar. Os ganhos no futuro dependerão dessa capacidade de inovar. A Suécia tem uma indústria forte, de ponta, tem disposição para ceder tecnologia, o acordo aeronáutico que fizemos foi um marco importante e estimula essa corrente de negócios entre o Brasil e a Suécia. O Brasil fez a opção pelos caças militares Grippen justamente pela transferência de tecnologia”, afirmou.

Exportações 
Em Estocolmo, a presidenta Dilma citou o Plano de Nacional de Exportações que, segundo ela, combinado com a alta do dólar, permitiu a reversão positiva da balança comercial brasileira. Dilma destacou também a contribuição dos investimentos do Plano de Investimentos em Logística, com concessões nas áreas de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos e na área também de energia elétrica.

“Saímos de um déficit de US$ 4 bilhões e acreditamos que chegaremos a um superávit em torno de US$ 16 bilhões. Isso significará que as exportações vão dar sua contribuição. Não é só por causa do câmbio, também estamos fazendo toda uma política de comércio exterior no sentido de garantir acordos comerciais, como é esse que pretendemos fazer com a União Europeia”.

Monteiro reafirmou que o realinhamento do câmbio oferece uma oportunidade extraordinária para o Brasil aumentar as exportações. “O Brasil experimenta nos últimos meses um aumento do volume exportado, não apenas de commodities, mas também de manufaturados. Portanto, este é um ciclo virtuoso que está se abrindo para a economia brasileira”, disse.


Voltar


BRASIL




GERAIS




adm  ABRACEX - Associação de Comércio Exterior do Brasil - Todos os direitos reservados - ©2017