Com a isenção total de tributos na importação de máquinas e equipamentos, os investimentos cresceriam significativamente a ponto de elevar o PIB?

 SIM
 NÃO

 
 

BRASIL INTENSIFICA EM 2014 AÇÃO INTERNACIONAL COM AJUDA DO BRICS

29/12/2014

O Brasil avançou em 2014 em busca da cooperação consolidada entre os países integrantes do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Fortaleza, no Ceará, sediou, em julho deste ano, o encontro de cúpula dos cinco países, quando foi dado mais um passo para a estruturação do novo Banco de Desenvolvimento do Brics, que terá sede em Xangai, na China, e a presidência ocupada por um representante da Índia. O anúncio, na ocasião, foi feito pela anfitriã do encontro, a presidenta Dilma Rousseff.

Ficou acertado na época que o capital inicial autorizado do banco é US$ 100 bilhões e o capital subscrito, US$ 50 bilhões, igualmente distribuídos entre os cinco países que integram o Brics. O primeiro escritório regional do banco será na África do Sul. A primeira direção da equipe de governadores pertencerá à Rússia e a primeira composição da equipe de diretores será do Brasil. A presidência do banco será rotativa entre os integrantes do bloco.

O esforço para a criação do banco pode esbarrar, no entanto, nas dificuldades que os países do grupo vêm enfrentando sob a influência da crise econômica global, inciada em 2008, e que teima em não arrefecer. A Rússia, por exemplo, passou a viver turbulências e, para proteger sua moeda, o rublo, ante o dólar, elevou em único dia de dezembro a principal taxa de juros do país, de 10,5% para 17% ao ano. A situação tem levado nervosismo e ansiedade ao mercado financeiro, preocupado com uma possível recessão russa.

Durante café da manhã com jornalistas, neste fim de ano, a presidenta reconheceu os problemas enfrentados pelos países emergentes, mas, ao comentar a situação do Brics, negou que a Rússia esteja "à beira de uma crise econômica". Segundo ela, a economia russa passou por uma turbulência monetária, "mas tem reservas suficientes".

Para o Brasil, o novo banco é fonte alternativa para financiamento de infraestrutura, compensando assim a falta de crédito das principais instituições financeiras internacionais. Empresários dos países que compõem o bloco apresentaram proposta que permitirá a troca direta de moedas entre os países, para facilitar e baratear os custos de transação.

O doutor em ciências sociais e mestre em economia política Francisco Américo Cassano acredita que, devido ao novo cenário mundial, com a crise da Rússia e a mudança de postura dos Estados Unidos em relação a Cuba, ainda é cedo para avaliar se o banco do Brics deslanchará no curto prazo. "Algumas variáveis aconteceram nesse intervalo de tempo, entre a criação do banco e o encerramento do ano. O fato de os Estados Unidos ter se aproximado de Cuba e a economia brasileira ter apresentado sinais decepcionantes pode significar que as coisas nesse sentido devem ficar um pouco acomodadas", disse em entrvista à Agência Brasil.

Professor da Universidade Presbiteriana Manckenzie, em São Paulo, Américo Cassano defende revisão na política externa brasileira ante a nova realidade. Para ele, o Brasil deve procurar melhor relação com os países desenvolvidos e ser menos dependente do comércio com a China e com países menos desenvolvidos. Ele destaca que, quando defende a mudança, não significa ruptura com os países do Mercosul. Mas, na avaliação dele, o Brasil terá de se aproximar mais da União Europeia.

Mesmo com o ambiente de turbulências no exterior, o professor vê sinais otimistas, internamente. Destacou, como fato representativo, a equipe ministerial de orientação fiscalista, tendo à frente o novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Ele considera importante ainda a escolha do novo ministro da Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, responsável pela política de comércio internacional do Brasil.



Voltar


BRASIL




GERAIS




adm  ABRACEX - Associação de Comércio Exterior do Brasil - Todos os direitos reservados - ©2017